Dor nas costas em crianças - Tuttoria

Dor nas costas em crianças

Giovanni Andrade
Ortopedista e Traumatologista


A coluna é composta pelas vértebras que são conectados por ligamentos (fortes conexões de tecidos moles entre os ossos) e separados por discos de absorção de choque. Os ossos fornecem estrutura e suporte e protegem a medula espinhal e as raízes nervosas que saem. Os músculos se prendem à coluna e permitem mobilidade.

No passado, a dor nas costas era considerada incomum em jovens. A taxa de dor nas costas em crianças aumenta com o aumento da idade. Com a idade de 15 anos, 20 a 70% das crianças relatam alguma dor nas costas. Em menores de 5 anos, a maioria das dores nas costas não se deve a um problema grave subjacente, porém nem sempre é este o caso. As causas mais comuns de dores nas costas são: tensão muscular, lesão ou uso excessivo, sendo as lesões verdadeiras apresentando-se em menor porcentagem de dor em comparação com o uso excessivo.

Exercícios extenuantes, como as corridas repetitivas, saltos, treinos físicos pesados podem ser mais comuns do que lesões agudas, trazendo consigo um número significativo de pacientes pediátricos com dor lombar que são sedentários e sem causa definida/conhecida de dor.

Dores nas costas podem ocorrer em qualquer idade ou qualquer local da coluna vertebral, porém tratando-se de crianças com menos de 5 anos a realidade pode ser outra, pois em comparação com um adulto, é mais provável que uma criança com dor nas costas desta idade, possa a ter um distúrbio subjacente grave, ou se uma criança de qualquer idade tiver dores nas costas acompanhadas por:

  • Febre ou perda de peso
  • Fraqueza ou dormência
  • Dificuldade para andar
  • Dor que irradia uma ou ambas as pernas
  • Problemas intestinais ou na bexiga
  • Dor que impede a criança de dormir

Outras causas, porém, menos comuns incluem infecção, tumor, trauma, ou algumas deformidades, como escoliose (curvatura da coluna vertebral), cifose (costas arredondadas), espondilólise (defeitos ou área quebrada de um osso) e espondilolistese (escorregar de um osso no outro). Causas mais graves, requerem uma identificação e terapêutica precoce, pois a tendência de piora é comum.

Anamnese e Exame Físico

Durante a anamnese, o médico fará perguntas sobre a saúde geral do seu filho, assim como questões relacionadas especificamente com a dor nas costas, quando a dor começou, se ela foi associada a lesão ou atividade exigente e se melhorou ou piorou. Também perguntará se há algo pior, e o que seu filho faz para torná-lo menos doloroso. Será importante saber exatamente onde a dor é sentida, quão grave ela é e o quanto ela interfere nas atividades da criança e se há outras queixas associadas, como febre, perda de peso, dor na perna ou alterações no intestino ou na bexiga.

Durante o exame físico, o médico examina cuidadosamente os músculos, ossos e nervos, procurando por curvas da coluna vertebral, postura, alterações na pele, capacidade de andar e simetria.  Ele verificará os reflexos e a sensação, além de mover as pernas de seu filho para cima e para baixo, procurando sinais de pressão sobre os nervos que saem da coluna. Também irá realizar testes para avaliar a flexibilidade, força e coordenação.

Além disso, existe algumas partes essenciais do exame que devem ser cuidadosamente observadas:

  • A coluna: palpar cada vértebra e procurar por deformidades no alinhamento e mobilidade da coluna. O aumento da redondeza das costas (quando visto de lado) ou uma curva para o lado (quando visto de costas) pode ser importante. O seu médico verificará a postura e a marcha, a capacidade de se curvar para tocar os dedos dos pés e dobrar para a direita e para a esquerda. Dificuldade com o movimento pode indicar que há um problema com as articulações da coluna.
  • Nervos nas costas: Problemas com os discos intervertebrais podem causar pressão nos nervos que saem da coluna, portanto, o médico fará testes específicos. Com o seu filho em decúbito dorsal, o médico levantará as pernas (teste de elevação da perna esticada) e poderá também levantar as pernas com o seu filho em decúbito ventral (teste de elevação da perna estendida invertida). Testes de reflexos e sensação nas pernas serão feitos pelo mesmo motivo.
  • Músculos: Os músculos das costas e pernas são testados de forma ativa e passiva. A contração dos músculos das costas ou dos músculos isquiotibiais na parte de trás da coxa mostrará que seu filho está tentando se proteger de movimentos e posições que podem ser dolorosos. A sensibilidade dos músculos indicará uma lesão muscular, como uma tensão.
  • Equilíbrio, flexibilidade, coordenação e força muscular: Outros testes podem ser feitos para garantir que a dor nas costas não faça parte de um quadro maior.

Exames de Imagem

Após uma detalhada anamnese e exame físico, pode-se abrir mão dos exames de imagem.

  • Radiografias:são úteis para mostrar alinhamento ósseo, deformidades, deslocamentos, fraturas e alguns tumores, infecções ou outros distúrbios ósseos.
  • Tomografia computadorizada (TC): usa técnicas de raios-X computadorizadas para fornecer imagens tridimensionais. Essas varreduras são frequentemente usadas para fornecer imagens detalhadas de anatomia complexa.
  • Ressonância Magnética (RM): é útil para avaliar tecidos moles, como a medula espinhal, raízes nervosas e discos. É muito útil para encontrar infecções, tumores e fontes neurológicas de dor nas costas.
  • Cintilografia óssea:envolvem a injeção de uma substância em uma veia e a obtenção de imagens que podem detectar onde a substância se instala. Esta técnica é útil para encontrar áreas de inflamação, infecções, tumores ou fraturas que não aparecem bem em outros tipos de

Exames laboratoriais

Pode ser recomendada, especialmente se houver qualquer preocupação com infecção ou inflamação. Os exames de sangue geralmente incluem hemograma completo (HC), velocidade de hemossedimentação (VHS) e proteína C reativa (PCR). Estudos adicionais podem ser adicionados.
Condições comuns de dor nas costas em crianças

Tensão muscular e desequilíbrios: A tensão musculoesquelética é mais frequentemente responsável pela dor nas costas em crianças e adolescentes. Este tipo de dor frequentemente responde bem ao repouso, medicamentos anti-inflamatórios, crioterapia e exercícios de alongamento. Muitos adolescentes podem ter dores nas costas mais persistentes. Isso está frequentemente relacionado a músculos tensos e músculos abdominais fracos, podendo necessitar de sessões fisioterápicas que enfatizam o alongamento dos tendões e o fortalecimento abdominal.

 

 

Cifose: Pode resultar em dor nas costas, tipicamente em adolescentes. Para alguns, o arredondamento é devido à má postura e pode ser melhorado com exercícios básicos. Para outros, a coluna realmente tem mudanças estruturais que podem progredir e resultar em deformidade. Essa condição, conhecida como cifose de Scheuermann, é caracterizada por vértebras em forma de cunha que colapsam anteriormente e resultam em uma aparência curvada ou arredondada. Cirurgia pode ser indicada em casos graves.

 

 

Escoliose: É uma curvatura anormal da coluna para um dos lados do tronco, determinada pela rotação das vértebras. Ocorre mais frequentemente durante o pico de crescimento pouco antes da puberdade. A maioria dos casos é leve, com poucos sintomas. Algumas crianças desenvolvem deformidades na coluna vertebral que se tornam mais graves à medida que elas crescem. A escoliose grave pode ser dolorosa e incapacitante. Geralmente não é preciso fazer nenhum tipo de tratamento, mas cirurgia e uso de coletes podem ser necessários em casos mais graves.

Espondilólise: Conhecida também por fratura por estresse, pode causar dor lombar em adolescentes. Espondilólise podem ocorrer durante os surtos de crescimento na adolescência ou em esportes que exigem torção ou hiperextensão da coluna, como ginástica, mergulho e futebol. A dor é geralmente leve e pode irradiar para as nádegas e pernas. A dor piora com a atividade e melhor com o descanso. Uma criança com espondilólise pode andar com uma marcha rígida e só conseguir dar passos curtos. Realizar uma pausa nos esportes e fazer exercícios com foco no alongamento dos tendões e na força do núcleo pode ajudar a aliviar a tensão na região lombar e melhorar os sintomas. Uma cinta de volta pode fornecer algum alívio. A cirurgia é reservada para os casos de dor severa que não melhoram com o tratamento não cirúrgico.

Espondilolistese: Refere-se ao deslizamento de uma vértebra para a frente em relação à vértebra abaixo e ocorre mais frequentemente na coluna inferior, ou lombossacral. Defeitos na coluna posterior permitem que esse deslizamento ocorra. À medida que a vértebra desliza para frente, pode ferir os nervos espinhais. Muitas vezes, as crianças e adolescentes podem participar de esportes completos com escorregões leves se a dor for mínima. Se os deslizamentos forem graves ou progressivos, a cirurgia pode ser recomendada.

Hérnia de disco: Raramente ocorre em adolescentes, mas é possível durante a atividade forçada, como o levantamento de peso. Ao contrário dos adultos, crianças e adolescentes ainda têm placas de crescimento nas extremidades de suas vértebras. Quando o disco hérnia ou empurra para trás, o disco jovem pode puxar um fragmento desse osso em crescimento, e isso pode causar pressão nos nervos ou na medula espinhal. Quando isso ocorre, a cirurgia pode ser necessária para remover o fragmento ósseo.

Infecção: Pode afetar os ossos vertebrais ou discos da coluna vertebral. A infecção do espaço em disco, conhecida como discite, tende a afetar as crianças mais novas. Além da dor, uma criança com uma infecção na coluna pode ter febre, baixa rigidez nas costas e recusa em andar ou dobrar na cintura. Uma criança com discite pode ter os seguintes sintomas:

  1. Dor na região lombar ou no abdome e rigidez da coluna vertebral;
  2. Andando mancando, ou simplesmente se recusando a andar;
  3. Agachando-se com uma coluna reta ao alcançar algo no chão, em vez de se inclinar da cintura.

Exames laboratoriais (hemograma, PCR e VHS), raios-X e/ou ressonância magnética são úteis para fazer o diagnóstico. O tratamento geralmente envolve antibióticos.

Tumor: Embora raros, podem ocorrer na coluna vertebral das crianças. Tumores, como o osteoma osteóide, podem ser responsáveis ​​pela dor nas costas. Quando ocorrem, os tumores da coluna vertebral são mais frequentemente encontrados no meio ou na região lombar. A dor é constante ou progressiva, a dor noturna ou a dor associada à febre ou perda de peso devem ser avaliadas por um médico. O tratamento depende do tipo de tumor.

 

Colaboração

Matheus Eduardo Passos Fontenele

Francisco Wellington Lopes Guimarães Filho

 

Referências

 

1.ORTHOKIDS (Usa) (Ed.). OrthoKids – Back Pain in Children. 2019. Disponível em: <http://orthokids.org/Condition/Back-Pain-in-Children>. Acesso em: 23 jul. 2019.

2.ORTHOINFO (Usa). Back Pain in Children. 2019. Disponível em: <https://orthoinfo.aaos.org/en/diseases–conditions/back-pain-in-children>. Acesso em: 23 jul. 2019.

Nossos Cursos